Logo

Lugar de Peregrinação

Schoenstatt, um lugar internacional de peregrinação

Uma pequena Capela consagrada a Nossa Senhora, um lugar de peregrinação e um Movimento apostólico internacional: isto é Schoenstatt, um vilarejo na pequena cidade de Vallendar, junto ás margens do Rio Reno. O Fundador do Movimento de Schoenstatt, Pe. José Kentenich, selou com um grupo de jovens da Congregação mariana, uma Aliança de Amor com Nossa Senhora, nesta pequena Capela.

Ainda que a história deste lugar de graças inicie no princípio do século XX, suas raízes remontam a tempos mais antigos. A primeira ata que marca a sua existência aponta que desde 1143 este lugar foi chamado “eyne schoene statt” - em alemão antigo: “um belo lugar”. Na Idade Média foi construído neste lugar um convento de Monjas agostinianas com uma Basílica dedicada a “Nossa Senhora de Schoenstatt”, da qual ainda existe uma das torres. A Capelinha do cemitério do convento, dedicada a S.Miguel, da qual se têm registros desde 1319, foi destruída e reconstruída por duas vezes, sobre os mesmos fundamentos. Desde o 18 de outubro de 1914 esta Capelinha se tornou o Santuário de Schoenstatt um lugar de graças e de peregrinação - chamado de Santuário Original, por ter sido o primeiro dos vários Santuários de Schoenstatt espalhados no mundo.
Em 1901 os Padres Palotinos adquiriram a propriedade em Schoenstatt e transferiram para cá uma parte dos seminaristas do Seminário menor que estava localizado em Ehrenbreitstein. Na primavera de 1911 foi construido um novo seminário - atualmente escola superior de teologia.
Todos os estudantes de Ehrenbreitstein foram transferidos a Schoenstatt. Em 1912 com a nomeação do Pe. José Kentenich como diretor espiritual dos jovens, inicia-se uma nova época para os seminaristas.
Sua meta educativa era: “sob a proteção de Maria, queremos aprender a educar-nos para sermos personalidades firmes, livres e sacerdotais.”
 

Um novo início

No dia 18 de outubro de 1914, na antiga Capelinha de São Miguel – o Pe. José Kentenich deu uma conferência aos jovens estudantes, à qual mais tarde foi chamada de “Documento de Fubndação de Schoenstatt”. Não seria possível que agora a capelinha da nossa Congregação se tornasse também o nosso Tabor, no qual se revela a glória de Maria? Não podemos, sem dúvida, realizar uma acção apostólica maior, não podemos legar aos nossos sucessores uma herança mais valiosa, do que mover Nossa Senhora e Rainha a estabelecer aqui, de maneira especial, o seu trono, a distribuir os seus tesouros e a operar milagres da graça” (18 de outubro de 1914).

Desde este dia esteve claro a originalidade do lugar de peregrinações de Schoenstatt: Maria não apareceu neste lugar, mas quer convidar a todos que visitam seus Santuários a viver uma vida de Aliança com ela.
Deste lugar ela se preocupa carinhosa e pessoalmente por cada um de seus filhos. Ela presenteia a graça do “abrigo espiritual” e nos ajuda a amar a Deus e ao próximo de todo o coração e a lutar no dia a dia pela santidade – presenteando a graça da transformação interior. E no amor a Cristo, ela desperta em nós o compromisso missionário para ajudar na transformação do mundo – que em toda a parte as pessoas possam sentir: "aqui é bom estar" – através da graça da fecundidade apostólica.
Maria, a Mãe de Deus e Mãe do Redentor é também a Mãe dos remidos, sendo conhecida como Mãe Três Vezes Admirável (MTA = Mater Ter Admirabilis).


Este título originalmente dado a Maria pelo sacerdote jesuíta P. Jacob Rem no século XVII, experimentou uma revitalização em Schoenstatt.
Depois da segunda guerra mundial e superadas as provas por parte da Igreja, o Pe. Kentenich ampliou o título. Desde então Maria é venerada como: “Mãe, Rainha e Vencedora três vezes Admirável de Schoenstatt”. Sua imagen de graças difundiu-se pelo mundo inteiro. Milhões de pessoas, em mais de 100 países, estão vinculados a Schoenstatt e procuram viver cada dia de acordo com a fé cristã e sua Aliança de Amor.

 

Schoenstatt Gnadenort


Schoenstatt Gnadenort